Arquivos Mensais: setembro \27\UTC 2015

Bailarina

Bailarina não sabe mais para onde correr, já entrou em diversas ruas, bateu em muitas portas, mas nunca encontra, digo, nunca o encontra, ela sente seu cheiro, consegue ouvir sua voz, mas ele nunca está aqui, nem ali. Ela sabe que ele está em algum lugar, sabe que  esse encontro é improvável, é impossível, ela …

Continuar lendo

Separados

Por um abismo que eu não vi se formar, nosso amor caminhou a passos largos para a perdição em um fim escuro, melancólico e solitário. Como um fio de cabelo ele ficou grisalho e acabou caindo. As articulações que antes movimentavam um sentimento agora ficaram rígidas e o amor parou de se renovar. O sangue …

Continuar lendo

O passado que continuou sendo presente.

Eu estou doente, o gosto do remédio ainda está na minha boca e o mundo ao meu redor parece meio sombrio e solitário, ficar doente mexe com meu psicológico. Eu ouço aquela música e lembro-me daquele dia, aquele dia me faz lembrar de outro dia e assim minha cabeça fica cheia de imagens e sons, …

Continuar lendo

Setembro

Da janela do ônibus, o céu parecia ainda mais cinza. Ninguém a observava de fato, mas ela se encolhia e cobria seu rosto molhado com suas mãos trêmulas, temendo que alguém a visse desabando. Tinha saudade de ser forte. Na cadeira de trás, um homem pálido conferia as horas o tempo todo. O motorista estava …

Continuar lendo

Carência nossa de todo dia

Você para e pensa que ontem queria tanto um alguém e hoje já não quer mais, olha para a foto da criatura e se pergunta “Eu estava sob o efeito de drogas quando me humilhei para ficar com isso? ”, seus amigos olham e dizem: foi a carência. Sempre é essa maldita. A carência é …

Continuar lendo

Crescer sem ser.

É terrível crescer e se deparar com um mundo que era até então desconhecido por ti. Sonhos frustrados e os realizados não são suficientes. Você se dá conta de que o planejado não é o esperado e que este não vai suprir tuas vontades. A tua infância se torna uma mera lembrança a qual você …

Continuar lendo

Meu clichê, meu cansaço.

Estou cansado do clichê, mas acabo sendo um todos os dias, aqueles velhos hábitos de levantar com o pé esquerdo ou começar a escovar os dentes do lado direito “poluem” minha mente, aquela vontade de sair correndo, me abaixar e fechar os olhos até que todos os furacões passem e os leões do dia não …

Continuar lendo

Etapas.

Queria apertar um botão que me levasse diretamente para o ano 2001, eu tinha cinco anos e minha maior preocupação era saber para onde minha mãe ia e se possível ir junto dela, a segunda maior preocupação era ensaiar uma dor de barriga para não ir para a escola, ou para voltar mais cedo dela, …

Continuar lendo

Medo

Acho que a palavra é medo, medos absurdos ou aqueles medos bobinhos de encontrar uma barata perambulando pelo banheiro, uma aranha no teto do quarto ou um morcego entrando pela janela da sala, mas o maior de todos é o medo de te perder, imaginar acordar e não te ver por perto me dá calafrios …

Continuar lendo