Arquivos Mensais: fevereiro \28\UTC 2015

Teu amor, teu cheiro, você.

Teu amor tem o cheiro de primavera, a cor do mar e o gosto de chiclete de morango. Teu amor me faz transbordar, me tira do chão, me leva nas nuvens e eu não tenho medo de cair, porque você está segurando minha mão. Teu amor me coloca de pé e me alimenta. Me aquece …

Continuar lendo

Eu estou aqui..

Ah, eu sinto sua dor. Compartilho desse aperto que esmaga seu peito e te faz soluçar antes de dormir. Compartilho dessa sensação de nada, mas ao mesmo tempo de tudo. A saudade chicoteia suas costas nuas e o tempo é o seu carrasco. Você só deseja ter cinco anos, pular para o colo do seu …

Continuar lendo

Sobre a tua tristeza

Ambos vivemos com os pés no chão, mas ambos traçamos metas inatingíveis para que o céu pareça mais perto. Sei que não existe ode ou soneto que te faça ficar, no entanto dedico-lhe este dadaísmo sem nem um mínimo detalhe que lhe dê qualidade, e, embora pareça benevolente, carrega uma indomável culpa por não ser …

Continuar lendo

Vicente

Vicente, eu estou sentada na areia olhando para o mar. Daqui as coisas não fazem muito sentido, há uma linha azul marinho dividindo o mar e o céu. O que há depois dela? O que há depois de mim? Imagino que seja uma dimensão jamais imaginada por mim. Lugares não são apenas lugares a partir …

Continuar lendo

Chão de Giz

Coloco nossas fotos naquela caixa verde com fitinhas que você me deu. Aquelas fotos que batemos no nosso primeiro encontro. Você esta me abraçando e sorrindo, eu estou radiante. Olho para essas fotos e lembro de tudo. É como se elas fossem livros e eu conseguisse ler nossa historia através delas, e eu choro. Choro …

Continuar lendo

Poeta.

Vê aquelas rosas no canteiro onde o sol não atinge e as gotas d’água não chegam porque não chove na cidade? Chove aqui dentro, uma tempestade de dúvidas e erros cometidos sem a menor intenção. Propensa a sentir demais. Diagnosticada com o mal do século. Do que vale a dimensão de todo o sentimento existente …

Continuar lendo

Pupilas

Ontem eu sonhei com você. O cenário aonde me encontrava fazia com que o inferno dantesco parecesse o paraíso, mas na escuridão surgiu a tua imagem. Os nossos lábios se encontraram, assim como se encontram na realidade. Mas dessa vez eu sonhei. E eu precisava te falar do sonho. Precisava falar do beijo. Um desejo …

Continuar lendo

Sobre Nostalgia

Odeio ir para aeroportos e rodoviárias. Odeio a sensação de ir embora, de partidas, aquela sensação de arrumar as malas e dizer “adeus”. Definitivamente odeio despedidas. Quando minha avó morreu anos atrás fiz questão de não ir ao enterro, fiz questão de ficar em casa deitado olhando para o teto porque não queria ter que …

Continuar lendo

Eduardo

Eduardo, eles estavam lá, dois corpos cheios de magoas que se mantinham em pé mesmo com os calcanhares doloridos. Ele com sua expressão de quem não fazia questão e ela com seu sorriso de quem sabia o que queria. Ele com uma garrafa de cerveja na mão e ela com os olhos pairando sobre ele. …

Continuar lendo

Mais uma lição de amor

A cidade estava vazia, meus pés caminhavam por aquelas ruas cheias de amarguras onde um dia caminhamos de mãos dadas, as luzes dos postes fazendo penumbra e a lua tão exuberante que me fez desvincular da minha dor por um instante. Por um breve momento tive a impressão de ouvir a tua voz distante balbuciando …

Continuar lendo