Arquivos Mensais: abril \24\UTC 2015

A falta de amor, pobre Zé

Zé vagava pelas ruas enquanto o sol ia desaparecendo no céu. Zé não tinha emprego, nem família e muito menos sabia ler. Zé era um sem nome, então chamamos ele de Zé, usava uma blusa preta com uma calça jeans rasgada e levava seu papelão gigante em baixo do braço. Os ventos anunciavam que logo, …

Continuar lendo

Morena.

Seria mais fácil se nossos olhos pudessem olhar na mesma direção e você notasse que nosso futuro é logo ali. Seria mais fácil se meus ombros fossem mais fortes, ou se minha cruz fosse mais leve para eu conseguir levar todos esses teus fardos.  Ontem eu te deixei ir embora e prometi para mim mesmo …

Continuar lendo

Grand Hotel

Não sou um monstro, mas já fiz alguém chorar, se sentir mal, pensar que a vida é uma bosta e odiar o amor, não sou um monstro, mas já machuquei pessoas e engoli corações, mesmo não querendo, fiz alguém criar expectativas e acabei com todas elas, não foi necessário muito, algumas palavras conseguem fazer grandes …

Continuar lendo

Eu escolhi sofrer e ser sua.

Ele me trouxe em casa e se despediu sem me dar um beijo. Apenas se foi me desejando boa noite e um até amanhã, meio sem jeito. Eu quis gritar enquanto ele entrava no carro, quis implorar um beijo, um abraço ou qualquer demonstração de afeto, mas eu já estava me rebaixando demais, me submetendo …

Continuar lendo

Nosso Clichê.

Não vou escrever um texto sobre isso, não vou escrever um texto sobre isso, não vou escrever um texto sobre isso, não vou escrever um texto dizendo o quanto sinto sua falta ou como quero de novo sentir seu abraço e o gosto do seu beijo, não vou descrever o quanto é inevitável não falar …

Continuar lendo

Ei, Zé.

Zé, hoje acordei e não estava na minha cama e nem no meu quarto. Estava inerte num estado que nem eu mesmo sei explicar. Zé, isso já aconteceu com você? Acho que isso acontece com a maioria das pessoas, acho que domingos tem esse “dom” de trazer todas as cargas de preocupações, ansiedades e medos …

Continuar lendo

Prosa de Apartamento : A morte não foi nosso fim.

Nascemos numa quarta-feira. Eu Julieta, você o meu Romeu. Fugimos da escola, pichamos muros, contamos as estrelas, fomos presos. Andamos sem pensar no amanhã, queríamos ganhar o mundo e tudo parecia pequeno demais para o tamanho do nosso amor. Eu parecia pequena demais para levar tanto dentro do meu peito, mas quando eu estava com …

Continuar lendo